Jane Fonda Declarou Que «Não Vai Comprar Mais Peças de Roupa»

Este é o seu movimento mais recente para combater as alterações climáticas. Por: Inês Aparício Imagens: © GTRESONLINE.

Se às quartas-feiras é dia de vestir cor-de-rosa, às sextas é, para Jane Fonda, o momento de tirar do armário o seu (já icónico) casaco vermelho. É dia de ir para as ruas, gritar a plenos pulmões pelo ambiente, tentar consciencializar o mundo para a questão das alterações climáticas – e ser presa exatamente por isso. Mas, apesar de este plano ser já uma espécie de tradição (que, de acordo com a própria atriz, se irá prolongar pelos próximos meses, até um total de 14 semanas consecutivas), a terceira manifestação em que participou não foi apenas mais uma sexta-feira de luta por um planeta mais verde. Foi também o dia em que a ativista declarou que «não voltará a comprar mais peças de roupa».

«Estão a ver este casaco?», perguntou a artista de 81 anos, apontando para a peça vermelha que tem usado todas as sextas-feiras. «Precisava de algo vermelho, fui às compras e encontrei este casaco. Este é o último item de roupa que irei comprar», revelou durante o protesto de 1 de novembro, na Colina do Capitólio, em Washington D.C., o penúltimo em que se envolveu.

O anúncio foi acompanhado, logo de seguida, por uma nota, como modo de proteção: «Talvez não seja razoável afirmar que nunca mais irei comprar uma peça de roupa outra vez. Vou viver até aos 100 anos, provavelmente», brincou. Contudo, numa entrevista ao NPR, posteriormente, esta reafirmou a sua posição. «[O casaco vermelho] não será apenas o último casaco. Não irei comprar mais roupa. Ponto final», sublinhou.

Jane Fonda, no mesmo discurso, notou ainda que cresceu numa época em que «o consumismo não tinha um efeito tão sufocante sobre nós». «Por isso, quando converso com alguém sobre este assunto digo que não precisamos de continuar a fazer compras. Não devíamos continuar à procura de comprar artigos que reflitam a nossa identidade. Não precisamos de comprar mais nada. Deste modo, não vou comprar mais roupa», esclareceu.

A última peça de Jane Fonda

Mais do que a última peça que a atriz terá comprado, o casaco vermelho tornou-se num símbolo da luta. Vestido todas as sextas-feiras em que Fonda saiu à rua para se insurgir pelo clima – e com o qual foi presa de todas essas vezes -, o já icónico artigo é «uma forma de chamar atenção e uma declaração por si próprio», explicou a stylist Micah Schifman, ao The Hollywood Reporter. «É quase como se o vermelho fosse um verbo ou uma palavra de ação», adicionou.

Já a atriz, em entrevista ao NPR, mencionou que a decisão de usar esta cor está ligada ao conceito de fogo e, por acréscimo, ao nome dado a estas manifestações semanais – as chamadas Fire Drill Fridays. «Fogo. A simulação de incêndio», explicou quando questionada pelo motivo que a fez escolher o encarnado. «A Greta disse que temos de agir como se as nossas casas estivessem a arder, porque é o que é», acrescentou. «Daí o Fire Drill Fridays», completou.

A promessa da ativista é a de manter «a desobediência civil e ser presa todas as sextas-feiras», referiu ao The Washington Post. E continuar a levar o casaco vermelho consigo.