Governo Confirma Que Bares e Discotecas Podem Reabrir, Mas Sem Dança

Estes espaços devem seguir as mesmas regras aplicadas em cafés e pastelarias. Por: Inês Aparício Imagens: © The Creative Exchange, no Unsplash.

A notícia já havia sido avançada esta manhã pelo Público, mas foi agora confirmada pela ministra de Estado e da Presidência, Mariana Vieira da Silva, na conferência de imprensa diária relativa ao avanço da pandemia. Os bares e discotecas podem reabrir, mas deverão seguir as mesmas normas aplicadas aos cafés e pastelarias, e o local destinado a dançar terá de ser adaptado. Significa isto que estes espaços, como os conhecemos, continuarão, para já, sem existir.

Mariana Vieira da Silva salienta que, no fundo, «não se trata de uma reabertura» de bares e discotecas, mas sim uma «liberdade de funcionamento» ou oportunidade para os proprietários deste tipo de negócios reajustarem os espaços, passando a funcionar como cafés ou pastelarias. Para isso, não precisarão de alterar a «respetiva classificação de atividade económica» junto das entidades competentes, é referido em comunicado.

Os espaços destinados a dança terão de permanecer «inutilizáveis para o efeito», podendo ser ocupados com mesas e cadeiras, com uma distância de segurança entre si, claro. Além disso, os bares e discotecas terão de encerrar até às 20 horas e apenas poderão servir comidas ligeiras, como bolos, salgados ou bebidas, adiantou o jornal. A medida entrará em vigor a partir da meia noite do dia 1 de agosto.

Este é mais um avanço em direção ao contínuo desconfinamento que se tem verificado desde o final de abril. Na mesma conferência, foi anunciado o levantamento da situação de calamidade nas 19 freguesias da Área Metropolitana de Lisboa, «dada a tendência decrescente do número de novos casos de doença e a melhoria da situação sanitária nestas freguesias». Estas passam agora a estar incluídas na situação de contingência, tal como toda a região de Lisboa e Vale do Tejo.