Emily Ratajkowski Conta Como Ficou Loira e Como Foi a Quarentena

Entre uma mudança de visual, uma pele em mau estado e livros, aconteceu muita coisa. Por: ELLE Portugal Imagens: © D.R. e GTRESONLINE.

Emily Ratajkowski deixou de ser a morena mais hot do Instagram, para se tornar a loira mais falada do mesmo. Numa entrevista intimista a modelo conta-nos tudo. Tudo sobre as mais de 7 horas no cabeleireiro, mas também sobre como passou a quarentena neste tempo de isolamento social.

Confiou a sua transformação a Kérastase, porquê?

Sou o rosto de Kérastase há dois anos, por isso tenho um longo relacionamento com a marca. Mas mesmo antes disso, já reconhecia que os produtos são realmente incríveis. É sempre difícil, porque eu sei que quando representamos uma marca, as pessoas ficam tipo, “sim, você está apenas a dizer isso porque trabalha para a marca”. Mas, honestamente, os produtos Kérastase mudaram mesmo o meu cabelo. O shampoo e o condicionador são tão bons. Os meus amigos que ficam em minha casa e usam o shampoo, nunca voltam atrás. O cabelo do meu marido está tão bonito por causa de Kérastase.

Quanto tempo demorou o processo?

Tanto tempo! Sentei-me na cadeira às 9.00h e terminámos por volta das 16.30h, mas tudo para chegarmos ao loiro perfeito. Fizemos a primeira parte e depois a segunda. A colorista fez uma máscara e depois acertámos o tom das raízes. Eu não queria um louro com madeixas, se era para ficar loira tinha de ser por completo. Mas as raízes eram uma parte realmente importante. Por isso foi um processo de chegar ao loiro que queria. Também queria que a cor fosse mais para o amarelo do que para o cinzento. Eu sei que muitas pessoas adoram o tom loiro acinzentado, mas achei que para o meu tom de pele não ia ficar bem.

Inspirou-se em alguma personalidade icónica loira?

Eu vi várias imagens, algumas eram apenas de modelos loiras dos anos noventa, depois vi o loiro da Pamela Anderson e da Sharon Tate e vi loiros de pessoas contemporâneas que fizeram transformações. Eu estava muito nervosa ontem para ser sincera, mas agora sinto-me mesmo bem com estas transformação.

 

 

«Sentei-me na cadeira às 9.00h e terminámos por volta das 16.30h, mas tudo para chegarmos ao loiro perfeito»

 

 

 Acha que a forma como se veste e maquilha vai mudar agora que é loira?

Sim. Voltei para Nova Iorque e olhei para o meu roupeiro para um vestido vermelho de seda e pensei, ok este vestido agora vai-me parecer diferente. Definitivamente vai mudar a forma como me arranjo. Acho que vou manter o meu look assinatura, na maquilhagem um efeito “cat eye” e muito blush mas as minhas sobrancelhas agora destacam-se mais por serem escuras, o que eu adoro. E acho que vou provavelmente jogar com isso muito mais.

Como acha que vão reagir as fãs morenas com este novo look?

Definitivamente vai ser controverso, acho. Eu fiz um post em que perguntei aos meus fãs se era uma mudança que devia fazer e as respostas foram 50/50. Mas sinto que na maioria são homens a dizer o que devo fazer com o meu cabelo e eu não estou interessada, por isso podem aprender a lidar com isso.

As louras divertem-se mais?

Ainda é cedo, mas posso dizer que já estou definitivamente a divertir-me. É isso que é giro na moda e beleza. Especialmente quando o mundo está a passar por tanta coisa. É realmente uma forma maravilhosa de nos sentirmos em controlo do nosso corpo e do nosso look e de nos divertirmos com a nossa existência. Eu acho que as transformações e a forma de nos divertirmos com o nosso look são uma coisa maravilhosa e que mais mulheres deviam fazer.

O que fez durante a quarentena?

Acabei finalmente uma proposta para um livro, que é uma coleção de ensaios em que trabalhei. Muitos deles eu já estava a trabalhar antes da quarentena, mas a edição final e colocá-los todos juntos aconteceu durante a quarentena. Fui estranhamente abençoada por esta situação, porque não tenho qualquer tipo de FOMO. Li muitos livros. Li o Trick Mirror: Reflections on Self-Delusion da Jia Tolentino, li How to Write an Autobiographical Novel do autor Alexander Chee’s , que é uma coleção incrível de ensaios. Li Know My Name da Chanel Miller que é um livro que toda a gente deveria ler. Vi o filme Mrs America. Gostava que mais pessoas falassem sobre o tema desta filme porque é bastante intemporal também.

 

 

«A política é para todos. Afeta todas as vidas e existências»

 

 

Para além de ficar loura qual foi a coisa mais louca que fez na sua quarentena?

Provavelmente torturei demais a minha pele. Haviam momentos em que eu decidia fazer uma limpeza facial e depois no dia seguinte, acordava e pensava ok isto foi uma péssima ideia.

A sua pele piorou ou melhorou na quarentena?

A determinada altura ficou muito má. Eu senti que não conhecia a minha pele, a textura, tudo estava estranho. Depois comprei novos produtos. E sim isto foi o que fiz de mais louco. A minha nova rotina depois fez com que a minha pele melhorasse. Agora uso proteção 50, com menos químicos e parece que tenho a pele melhor e mais firme. Uso baba de caracol como base e estou obcecada com o creme hidratante e de limpeza da Dra Loretta.

 

Tem sido muito falada nas redes sociais sobre questões sociais com que se preocupa. O que é importante para si?

Estas questões sempre foram importantes para mim. Acho que se não tivesse uma plataforma ainda estaria a falar sobre política. É espetacular ter uma audiência, mas a verdade é que toda a gente devia estar a par da política e envolvida nas coisas em que acreditam. A política é para todos. Afeta todas as vidas e existências. É muito importante que todos sejamos porta vozes, independentemente de termos 26 seguidores ou 26 milhões.