Duffy Acusa a Netflix de «Glamorizar» o Tráfico Sexual e Violação Em ‘365 Dias’

A cantora considera «irresponsável» a integração do filme na plataforma de streaming. Por: Inês Aparício Imagem: © GTRESONLINE.

Numa carta aberta, dirigida a Reed Hastings, cofundador e CEO da Netflix, Duffy acusou a plataforma de streaming de «glamorizar» o tráfico sexual, rapto e violação, ao integrar o filme polaco 365 Dias no seu catálogo. Estas questões tocam-lhe especialmente no coração, como recorda no mesmo texto, uma vez que ela própria terá sido vítima de sequestro e abuso sexual.

«O 365 Dias glamoriza a realidade brutal do tráfico sexual, rapto e violação. Isto não deveria ser a ideia de ninguém no que a entretenimento diz respeito, nem deveria ser descrito dessa forma ou comercializado dessa maneira», escreveu. «Lamento que a Netflix disponha uma plataforma para este tipo de ‘cinema’, que erotiza o sequestro e distorce a violência sexual e o tráfico, enquanto um filme ‘sensual’. Não consigo simplesmente imaginar como é que a Netflix não consegue perceber o quão negligente, insensível e perigoso é», salientou, acrescentando que a decisão de incluir a película no serviço de streaming foi «irresponsável».

Ainda nesta mensagem, a artista recuperou a sua experiência pessoal para reiterar o seu ponto de vista. «Quando fui traficada e violada, tive a sorte de conseguir sair dessa situação com vida, mas muitos não têm a mesma sorte. E, agora, tenho de assistir a estas tragédias, e à minha tragédia, erotizadas e reduzidas a nada», continuou. «Não percebe [Reed Hastings] como o 365 Dias trouxe tanta mágoa àqueles que passaram pela dor e o horror do que este filme glamoriza, por entretenimento e dinheiro. O que eu e outros que conhecem estas injustiças precisam é exatamente do contrário – de uma narrativa de esperança, que reflita a realidade e que nos dê voz», terminou.

A história de 365 Days

Frequentemente comparado a 50 Sombras de Grey, este «drama erótico», como é descrito pela Netflix, conta a história de Massimo (interpretado por Michele Morrone), membro da máfia de Sicília, que se apaixona por uma mulher (a quem Anna-Maria Sieklucka dá vida) e lhe dá 365 dias para se apaixonar por ele, mantendo-a refém durante esse período, contra a sua vontade.

Este tem-se mantido no top 10 da plataforma desde a data de estreia no serviço de streaming, a 7 de junho, e, atualmente, encontra-se na segunda posição do mesmo.