Dono da Brechó Replay É Acusado de Assédio e Abuso Sexual

Eduardo Costa era um dos nomes em ascensão na moda brasileira. Por: ELLE Portugal Imagens: © D. R

Eduardo Costa, 30 anos, está a ser acusado desde o início da semana nas redes sociais e nos meios de comunicação social brasileiros, de assédio e abuso sexual. O empresário convidaria jovens para sessões fotográficas num apartamento no centro de S.Paulo, e durante essas sessões em que pedia que ficassem de cuecas tocava-os de forma abusiva. Eduardo Costa era o dono do coletivo de moda Brechó Replay, uma das grandes promessas da moda brasileiras. A marca fazia parte do calendário da Casa de Criadores.

Agora que o escândalo rebentou, Eduardo apagou as suas redes sociais, bem como as da marca. Foram vários os homens que denunciaram a situação, sendo que alguns alegam terem sido abusados quando eram menores.

Fotgrafia de reprodução do Facebook

As denúncias

«Estava chegando em São Paulo e me ofereci para coreografar o desfile da Brechó Replay em troca de styling da marca, que já era bem famosa pela internet. Em um domingo à noite, Eduardo me convidou para ir ao seu apartamento para ver as roupas da apresentação. Chegando lá, me recebeu de cueca e me fez experimentar os looks enquanto me fotografava. Ele também passava a mão pelo meu corpo e se esfregava em mim. O desfile aconteceu e nunca mais trabalhamos juntos», contou um coreógrafo de 26 anos, à Marie Claire Brasil. 

«Participei do primeiro ensaio da Brechó Replay, que aconteceu em 2015. Tinha 18 anos e conheci o Eduardo por meio de um amigo em comum, um ano antes. No dia da sessão de fotos, que aconteceu no apartamento dele, ele apareceu só de cueca e sempre dava um jeito de encostar e passar a mão na gente, nos constrangendo. Acabei me afastando um tempo depois, mas sempre via que ele se aproveitava dos mais vulneráveis», relatou outro.

«Eu já tinha uns 25 anos e nunca trabalhado com moda.No ensaio, que era de cueca, o Eduardo já nos olhava de forma objetivada. Ele olhava os volumes nas cuecas e disse que precisava arrumar: colocou a mão dentro da minha cueca, chacoalhou meu pénis como queria que ficasse. Depois, dava um jeito de encostar o corpo dele no nosso, como se estivesse esbarrando. Ainda trabalhamos juntos mais duas vezes e sempre foi abusivo e anti-profissional. Não culpo a indústria, o único culpado é o Eduardo Costa», contou outro, também na Marie Claire.

Comunicado da Casa de Criadores

A Casa de Criadores, evento de moda dedicado a jovens criadores, publicou um comunicado no Twitter sobre estas acusações.

«A Casa de Criadores esclarece que sua direção jamais teve conhecimento anterior de qualquer coisa e/ou facto que levantasse dúvidas sobre um possível comportamento abusivo de Eduardo Costa, do coletivo Brechó Replay. Até então, nunca havia nos chegado qualquer informação parecida com os depoimentos que vieram a público via Twitter e Instagram nos últimos dias. Se isso tivesse acontecido, teríamos imediatamente retirado a marca do line-up do evento. Acreditamos que os fatos aqui descritos são muito graves e nunca seremos coniventes com qualquer. Tipo de assédio, até porque a Casa de Criadores sempre lutou para tornar a moda brasileira mais justa, inclusiva e transparente. Diante de todos estes acontecimentos gostaríamos, portanto, de comunicar que o Brechó Replay não faz mais parte do nosso line-up, inclusive nem tendo se apresentado na última edição do evento -ocorrida em novembro de 2019- por decisão da própria marca.»

*As declarações mantêm-se fiéis à versão original em português do Brasil.