Michelle Williams e Patricia Arquette Apelam Ao Voto Nos Globos de Ouro

Michelle Williams e Patricia Arquette fizeram os discursos mais poderosos da noite. Por: Margarida Brito Paes Imagens: © GTRESONLINE

Cinco minutos de fama é tudo o que é preciso para um discurso poderoso, mas no caso de quem já é famoso esta máxima passa a ser: um discurso de agradecimento, na entrega de prémios, é tudo o que é preciso para um discurso poderoso. Patricia Arquette e Michelle Williams, sabem disso, e, aproveitaram o momento em que receberam o seu Globo de Ouro para apelar ao voto. Com eleições presidenciais a de 3 de novembro de 2020, nos EUA, as atrizes decidiram pôr o tema em cima da mesa.

O discurso de Patricia Arquette

Donald Trump é um dos Presidentes mais controversos dos EUA. E depois de um processo de impeachment e da recente execução do general Qassem Soleimani, que levou o Irão a rasgar o acordo nuclear, os EUA são o centro da política internacional e por isso, seria impossível deixar a política fora do púlpito dos Globos de Ouro. Foi precisamente a crise com o Irão que Patricia Arquette levou para o palco: «Estou muito contente por estar aqui e celebrar isto, mas também sei que esta noite, 5 de janeiro, 2020. Não vamos olhar para trás para esta noite… nos livros de História vamos ver um país à beira da guerra. (…) As pessoas não sabem se as bombas vão cair nas cabeças dos seus filhos».

A atriz terminou o discurso com um apelo ao voto. «Por isso, por amar tanto os meus filhos, eu imploro que todos nós lhes demos um mundo melhor. Pelas nossas criança e pelas crianças deles temos de votar em 2020 e temos de implorar a todos os que conhecemos que votem em 2020».

O apelo feminista de Michelle Williams

Michelle Williams subiu ao palco para dar voz ao discurso mais poderoso da noite. A atriz, que está grávida, sublinhou a importância de ser livre de escolher como e quando ter filhos foi importante para conseguir progredir na sua carreira. «Estou grata por viver num momento da nossa sociedade em que a escolha existe, porque como mulheres e raparigas podem acontecer coisas aos nossos corpos que não são escolhas nossas», disse arrancando palmas à plateia.

Depois de ter sublinhado como a importância de viver num país em que as mulheres podem escolher influenciou a sua vida, Williams apelou ao voto. «Mulheres, dos 18 a 118 anos, quando chegar a hora de votar, façam-no pelo vosso próprio interesse. É o que os homens fazem há anos! É o que os homens fazem há anos, e é por isso que o mundo se parece tanto com eles. Não se esqueçam que somos o maior corpo de voto neste país. Vamos fazê-lo parecer-se mais connosco».