BFC Pede Apoio Urgente ao Governo Britânico Para A Indústria da Moda

O novo coronavírus poderá colocar em causa 240 mil postos de trabalho. Por: Inês Aparício Imagens: © Imaxtree.

O pedido chegou em forma de alerta: «A recessão causada pela covid-19 pode atingir duas vezes mais a indústria da moda, em comparação com o Reino Unido no geral, colocando permanentemente em causa o crescimento acima da média conseguido pela indústria nos últimos dez anos», salientou o British Fashion Council (BFC) em comunicado, no qual refere os dados resultantes de uma análise da Oxford Economics. De acordo com a investigação, 240 mil trabalhos poderão ser perdidos devido à pandemia e, por isso, a organização urge o governo a não ficar de braços cruzados.

Com base nas informações apresentadas pela Oxford Economics, o BFC adverte os políticos de que «uma geração inteira de criativos poderá desaparecer, colocando em perigo a posição do Reino Unido no universo da Moda». Numa indústria que empregou, até ao ano passado, 890 mil pessoas, isto traduz-se num impacto de mais de um quarto (cerca de 27%) de trabalhos perdidos, apenas de forma direta. No entanto, este valor pode aumentar, se forem incluídos também empregos indiretos. Segundo o estudo, pode ascender aos 350 mil desempregados, o que corresponde a 1% da totalidade de trabalhadores no país.

Deste modo, é estimado que as receitas diminuam dos £118 mil milhões obtidos em 2019, para £88 mil milhões, neste ano. Isto significa que a indústria da Moda passaria a contribuir apenas com £26.2 mil milhões para a economia do Reino Unido, em vez dos £35 mil milhões conseguidos no ano passado.

A solução

Para o BFC, a solução passa, então, por um maior apoio do governo, que se poderá expressar através de sete medidas que «garantem o futuro emprego, enquanto a indústria é redefinida com o foco num crescimento claro e uma mudança positiva para o planeta e as suas pessoas», propostas pela própria organização. Destas, fazem parte, por exemplo, a «renegociação de contratos de arrendamento em locais onde os senhorios não estão a agir de forma responsável», a concessão de «empréstimos sem juros a longo prazo para compensar os custos dos arrendamentos», ou o desenvolvimento de uma regulação que impeça o cancelamento de encomendas feitas a pequenas empresas.

Além disso, já num contexto focado na ética e sustentabilidade, esta pede que sejam apoiadas práticas mais amigas do ambiente, como a reciclagem, upcycling ou o aproveitamento de desperdícios e a aposta em modelos de negócio baseados numa economia circular.

Ao mesmo tempo, como nota o WWD, o British Fashion Council irá continuar levar a cabo as suas próprias iniciativas de ajuda a pequenas empresas. No passado mês de maio, este já auxiliou 37 marcas e estudantes britânicos, através do seu fundo de emergência de £1 milhão.

Semana de Moda híbrida

Ao contrário da Semana de Moda de Alta Costura, que aconteceu exclusivamente de forma digital, a Semana de Moda de Londres terá apresentações virtuais e desfiles físicos, entre os dias 17 e 22 de setembro. Isto significa que, os criadores terão a oportunidade de exibir as suas propostas, ora no site oficial do evento, ora fisicamente, seguindo, obviamente, as normas de segurança e distância social recomendadas pelo governo.